O cientista inglês James Lovelock ficou mundialmente famoso por ter elaborado a hipótese Gaia, segundo a qual o planeta Terra é um imenso organismo vivo, no sentido de que tem a sua vida, a sua história e onde todos os elementos interagem-se uns com os outros. O nome Gaia foi em homenagem à deusa grega, mãe da Terra e de todos os seres vivos.

A hipótese Gaia , é plenamente aceita pela comunidade científica. A Terra, que tem cerca de 4,4 bilhões de anos, é um sistema vivo, não como somos nós, seres vivos, mas como um sistema complexo, adaptativo e auto-organizado.

A vida é o entrelaçamento e a interação de uma série de sistemas e fenômenos que a formam, desde um microcosmo quântico até a imensidão galáctica.

Devemos nos conscientizar que estamos ligados à Terra, a vida está ligada à Terra, que por sua vez está ligada ao seu Sol, que está ligado ao Cosmo.

O homem sempre entendeu que é dono da natureza, que pode dominá-la, mas a natureza se vinga de nós, da nossa ciência e tecnologia.

Toda vez que há uma catástrofe, voltamos, o nosso olhar para a natureza. A pandemia do coronavírus é um desses momentos. Muitas lições podem ser aprendidas nesses momentos difíceis, entre outras:

– o modo nocivo de como habitamos a Terra. A nossa forma de explorá-la como planeta vivo é predatória; precisamos de urgentíssimos cuidados com a Terra e com a sustentabilidade planetária;

– não somos apartados da natureza. As degradações da biosfera têm suas consequências e a natureza retalia aos ataques, como nos mostram o aquecimento global; as grandes catástrofes naturais, cada vez mais frequentes, e as pandemias;

– o homem não é dono, não domina e nem é o centro do universo, que por ser um sistema complexo não tem centro;

– ao tirar da Terra mais do que ela pode dar, ela perde o seu equilíbrio dinâmico, dando sinais de esgotamento, como as alterações climáticas, epidemias, e tantos outros fatores de desequilíbrios;

– faz tempo que a Terra tem dado sinais e faz tempo que o homem conhece a fragilidade planetária. Já deveríamos ter aprendido as lições com as nossas dores e sofrimentos. Infelizmente não aprendemos.

Como disse o filósofo francês André Guide, “tudo já foi dito, mas, como ninguém ouve, é preciso dizer de novo”, e sempre, acrescento. Através da educação poderemos trabalhar o conhecimento ecológico e estimular a retomada de consciência das degradações da biosfera e dos seus efeitos nas sociedades e nos indivíduos. É instigante trabalhar plenamente a consciência nas futuras gerações de que o nosso pequeno planeta é a pátria humana.

***

As imagens são da NASA